sábado, 16 de fevereiro de 2013

AUTO DA COMPADECIDA - ARIANO SUASSUNA


AUTO DA COMPADECIDA – ARIANO SUASSUNA

Auto Da CompadecidaSINOPSE: O "Auto da Compadecida" consegue o equilíbrio perfeito entre a tradição popular e a elaboração literária ao recriar para o teatro episódios registrados na tradição popular do cordel. É uma peça teatral em forma de Auto em 3 atos, escrita em 1955 pelo autor paraibano Ariano Suassuna. Sendo um drama do Nordeste brasileiro, mescla elementos como a tradição da literatura de cordel, a comédia, traços do barroco católico brasileiro e, ainda, cultura popular e tradições religiosas. Apresenta na escrita traços de linguagem oral [demonstrando, na fala do personagem, sua classe social] e apresenta também regionalismos relativos ao Nordeste. Esta peça projetou Suassuna em todo o país e foi considerada, em 1962, por Sábato Magaldi "o texto mais popular do moderno teatro brasileiro".





RESENHA/OPINIÃO:

Um livro divertido.
Simplesmente muito bom. Ariano Suassuna soube moldar o humor com a simplicidade e ingenuidade de João Grilo.
A história, feita em peça teatral dividida em três atos, traz consigo elementos da literatura de cordel e traços do barroco católico, que destaca o homem e Deus. O livro conta os acontecimentos e esperteza de João Grilo junto com seu amigo Chicó que é um pouco inocente e mentiroso.
Ele tenta se vingar do padeiro e a mulher dele que o exploram enquanto trabalha para eles. Rolo vai, rolo vem, tudo vai parar no padre, o enterro do cachorro da mulher do padeiro em latim, e os cangaceiros criminosos. O livro faz críticas à igreja e às pessoas que fingem ser o que não são.
Por fim, João Grilo consegue enrolar até o cangaceiro criminoso. O que ninguém contava, era que todos iam morrer, menos Chicó. E sabe onde iam parar? Em uma audiência no purgatório, onde todos serão julgados por Emanuel e Nossa Senhora de um lado e o Encourado de outro.
E todos serão julgados. João Grilo consegue deixar até o Encourado maluco.
Um ponto interessante é que Suassuna destacou em sua obra Emanuel mais moreno, de acordo com o povo a quem a história se refere.
De um jeito simples e cômico, ele dá vida a personagens engraçados e um final diferente acontece com João Grilo, não indo nem para o céu e nem para o inferno.
Diria que Ariano, soube moldar uma maravilhosa história, com sutileza e ótima jogada de palavras próprias de um grande escritor.


Um pouco sobre o autor:

Nasceu em 16 de junho de 1927 em João Pessoa – PB, é secretário de assessoria ao governador de Pernambuco, Eduardo Campos.
Junto com Hermilo Borba Filho, fundou o Teatro do Estudante de Pernambuco. Em 1947, escreveu sua primeira peça “Uma Mulher Vestida de Sol”. Formou-se em Direito em 1950. Em 1956, virou professor de Estética na UFPE, é membro da APL e da ABL e recebeu o prêmio Doutor Honoris Causa – UFC e outros prêmios.



Outras obras do autor:

TEATRO
  • Uma mulher vestida de Sol, (1947)
  • Cantam as harpas de Sião ou O desertor de Princesa, (1948)
  • Os homens de barro, (1949)
  • Auto de João da Cruz, (1950)
  • Torturas de um coração, (1951)
  • O arco desolado, (1952)
  • O castigo da soberba, (1953)
  • O Rico Avarento, (1954)
  • Auto da Compadecida, (1955)
  • O casamento suspeitoso, (1957)
  • O santo e a porca, (1957)
  • O homem da vaca e o poder da fortuna, (1958)
  • A pena e a lei, (1959)
  • Farsa da boa preguiça, (1960)
  • A Caseira e a Catarina, (1962)
  • As conchambranças de Quaderna, (1987)
  • Fernando e Isaura, (1956)

ROMANCE
q   A História de amor de Fernando e Isaura, (1956)
q   O Romance d'A Pedra do Reino e o Príncipe do Sangue do Vai-e-Volta, (1971)
q   História d'O Rei Degolado nas caatingas do sertão /Ao sol da Onça Caetana, (1976)

POESIA
v  O pasto incendiado, (1945-1970)
v  Ode, (1955)
v  Sonetos com mote alheio, (1980)
v  Sonetos de Albano Cervonegro, (1985)
v  Poemas (antologia), (1999).


Também achei o filme da obra, vale a pena conferir:




Bjks e boas leituras,

Cleide.

7 comentários:

  1. Cley, o livro parece um denúncia social com algumas pitadas de ironia...Muito interessante.
    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. EXATAMENTE ISSO, MARLI. ELE FALA DA SOCIEDADE DE UMA FORMA DIVERTIDA.

      Excluir
  2. Olá Cleide,

    Esse livro eu gostaria de ler, deve ser divertido também...boa dica..abçs.

    http://devoradordeletras.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Oi Cleide.
    Ainda não li esse livro, mas tenho vontade pois parece ser bem divertido.
    Também vi o filme e adorei.
    Parabéns pela resenha.
    Beijos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. MUITO BOM, ALINNE.
      BJS E OBRIGADA PELA VISITA.

      Excluir
  4. Já assisti ao filme um monte de vezes e adoro!
    Ainda não li nada de Ariano Suassuna e começar com o Auto da Compadecida parece ótimo!
    Parabéns pela resenha!

    Sou seguidora nova aqui, visita meu blog?
    Beijos

    Link: http://livrosebatons.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

Obrigada pela visita!

POSTAGENS INTERESSANTES:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...